Uma Semana Com Razão

Reinaldo ganhou na loteria. Isso mesmo: jogou e ganhou. Pode acontecer com qualquer um de nós, então porque não com o Reinaldo? Vinte e três milhões do dia para a noite. Passou de tudo pela cabeça do Reinaldo, mas ele teve uma ideia fabulosa: vingança!

Segunda feira ele foi trabalhar, como se nada tivesse acontecido.

Foi um dia normal para ele, estafante com sempre. Mas na verdade ele só estava esperando o momento certo para começar o seu plano e a oportunidade chegou no final da tarde quando o chefe pediu para ele preparar uma apresentação para a terça bem cedo. Normalmente Reinaldo passaria a noite trabalhando na apresentação inútil e que poderia ter sido feita antes com calma se o chefe tivesse apenas avisado com um pouco mais de antecedencia. Mas este não era um dia normal. Reinaldo se virou para o chefe e, usando aquela voz de quem fala com crianças pequena, colocou o dedo indicador para cima e disse:

- Se você tivesse sido um bom menino eu faria a apresentação para você. Mas como você se comportou muito mal hoje, não vai ganhar apresentação não, viu?

O chefe não entendeu nada. Achou que era brincadeira e simplesmente riu um pouco, virou e saiu dizendo "... esse Reinaldo, cada dia mais engraçado". Foram para casa o chefe e o Reinaldo. O chefe se divertindo com a "brincadeira" do Reinaldo. O Reinaldo triunfante com a primeira oportunidade que ele teve de ter razão na sua vida.

Na terça Reinaldo chegou as 10:30 para trabalhar. De bermuda, óculos de sol, chapéu de praia, chinelo de dedo, camisa havaiana e uma câmera fotográfica de última geração pendurada no pescoço. O chefe estava soltando fogo pelo nariz porque não tinha recebido a apresentação e chamou Reinaldo na sala dele para dar a bronca. Os colegas do Reinaldo assustados com o nervosismo do chefe e com a calma do Reinaldo. Reinaldo entrou na sala como um turista entra em um museu. Sorridente mas compenetrado e achando tudo fascinante. O chefe em estado de choque não conseguiu falar nada ao ver a cena. Reinaldo tirava fotos de tudo, do grampeador em cima da mesa até o lustre no teto e sempre com cara de quem estava vendo uma obra de arte. Olhou para o chefe, tirou uma foto dele com flash o deixando cego por uns instantes. Também parou fascinado ao lado do porta lápis e tirou uma dezena de fotos por vários ângulos e saiu antes que o chefe conseguisse esboçar qualquer reação. Passou a tarde imprimindo diversas cópias das fotos e distribuiu para seus colegas de trabalho um álbum com o titulo na capa: “Minha viagem pela Terra do Nunca (Mais)” e foi embora para casa. Ninguém entendeu nada.

Na quarta feira, Reinaldo esta de volta (vestido normalmente) e pontualmente as 8:30. Sentou na sua mesa normalmente, fez seu trabalho cotidiano. Nada de diferente do que costumava fazer exceto pelo fato de que nem seu chefe nem seus colegas de trabalho o interromperam para nada. Apenas a moça que servia café se dirigiu a ele mas com muita cautela:

Moça do Café: Tudo com você bem seu Reinaldo.
Reinaldo: Tudo ótimo! Traz um café daqueles caprichados para mim?
Moça do Café: Claro. Num minutinho.

A única coisa que aconteceu de diferente na quarta foi o Reinaldo ter um pequeno ataque de pânico quando ouviu um barulho de um grampeador sendo usado. Quando o colega que estava segurando o grampeador perguntou se ele estava bem Reinaldo simplesmente se recompôs e disse "coisa perigosa isso ai" sem tirar os olhos do grampeador.

Mas na quinta tinha a reunião geral com o chefe. Reinaldo chegou 15 minutos atrasados propositalmente. Todos já estavam na reunião compenetrados nas broncas corriqueiras do chefe quando Reinaldo, vestido de Batman, deu com o pé na porta quase derrubando ela com a força do chute, entrou na sala no melhor estilo super-herói, colocou uma mão com o punho fechado na cintura e a outra apontada para o teto, usou a sua melhor expressão facial de preocupação com a humanidade e disse solenemente:

- Santa reunião inútil! O mundo precisa ser salvo disso!

Correu, subiu na mesa e puxou o cabo de força do projetor de slides que estava preso no teto. Depois chutou o telefone com toda a força e saiu correndo pela porta como quem já tinha resolvido tudo.

Ninguém se moveu por uns 5 minutos.

Na sexta, logo que ele entrou no escritório, dois seguranças fortes e vestidos de branco o pegaram e o amarraram em uma camisa de força. Todo mundo do escritório assistia pasmo aquela cena, até com um certo ar de pena do pobre Reinaldo que tinha enlouquecido. O chefe sofria gravemente de remorso por ter enlouquecido o pobre Reinaldo. “Era um profissional tão bom” dizia ele. Reinaldo foi levado e internado em um hospício bem distante do escritório, mas não reagiu.

Mas no sábado mesmo, Reinaldo comprou o hospício e o transformou em um Hotel 5 estrelas com spa e tudo. Dizem que ele ainda está lá até hoje e com seus amigos “loucos”, bebendo, comendo e se divertindo.

Tendo razão e sendo feliz.
Postar um comentário